Contacte-nos através do nosso email:
cethomar@hotmail.com

8/13/2007

Castelo de D.Gualdim Paes


Muito se tem falado e escrito sobre a muralha Templária do castelo de Thomar cabe agora ao blog dar o seu contributo sobre este assunto.
O castelo começou a ser edificado em 1160 no (primo die Marcii) e é composto por dois núcleos fortificados: a alcáçova, com a torre de menagem e a sua barbacã ,a nordeste, com um campanário para o sino, o templo dos cavaleiros, a charola -oratório no cimo do monte ficando a uma altura mais elevada em relação á torre de menagem. Era assim o castelo que depois continuava em três círculos de muralhas, uma ligando estes dois pontos com dois arcos de círculo que deixavam terreno defendido com cinco torres supostas e sua linha de ronda ameada, para o exterior, ou seja, a norte onde rompia a porta da Almedina, e uma linha de muros mais singela onde se abria uma porta para a segunda cerca, intermédia, traçada em linha recta, entre o terreiro da charola e a torre da rainha (D. Catarina), baluarte de ângulo da terceira cerca - essa mais extensa e de maior defesa, com as sua torres, de dois andares, com flancos redondos, intervalados que se aproximavam na porta de Almedina ou seja da cidade .Esta marcava o acesso ao terreno habitado pelo povo.
A alcáçova tinha o seu próprio perímetro defensivo, com a entrada pela porta de Santiago virada a norte em cota inferior, com acesso de rampa para os cavaleiros, à porta do sol e que conduzia também à demolida Igreja de Santa Maria do Castelo, (onde ainda resta o a torre sineira) tendo ao seu lado a Capela de Santa Catarina (junto da torre com o mesmo nome) igualmente desaparecida.

Segundo algumas fontes a porta principal do castelo já não existe, estando o antigo Hospital Militar situado no seu local. A quem diga ainda que a cruz panteã que esta cravada na porta do sangue (do lado de dentro) seja a cruz que D. Gualdim Paes trouxe das cruzadas e que ao construir o castelo a colocou na porta da entrada.
Também bastante curioso é que parte da muralha original não foi destruída estando dentro do edifício do Hospital Militar, para os menos atentos basta espreitar do lado de fora para as primeiras janelas deste, pois a muralha esta mesmo encostada a janela. Será que havia uma porta para o castelo do lado do Hospital Militar?

Também gostaríamos de saber a vossa opinião em relação á porta de Santiago ou porta do Sol, pois pensamos que esta não existiria no tempo dos templários, pois além de fazer defesa á torre de menagem, aquela zona seria muito mais funda, basta olhar para o lado da mata e percebe-se que foi entulhado. Qual a vossa opinião?

12 comentários:

Anónimo disse...

De facto estranha-se o facto de a torre de menagem ficar numa ponta e não no centro do castelo.
Até nisso os templários são diferentes.

saudações fraternas

cavador andante

Anónimo disse...

OLÁ.
GOSTAVA DE PERGUMTAR AO SR.PEDRO SILVA,QUE PROVAS TEM O SENHOR PARA DIZER NO SEU ULTIMO LIVRO QUE GUALDIM PAES FOI RETIRADO DO SEU TUMULO ,POUCOS ANOS APOS A SUA MORTE E POSTO NUMA URNA DE PEDRA E LEVADO DE ST MARIA DO OLIVAL.

MANUEL

Anónimo disse...

Gostaria se tal fosse possivel que alguem me fala-se sobre o outro castelo de Tomar.
Não me refiro ao de Ceras ,estou curiosa.
Um muito obrigado
Rita

Tavares disse...

Cara Sra Rita

Quando diz para falar de um castelo em Tomar sem ser o actual so se pode referir a uma anterior fortificação existente, correcto?
Porque o Castelo de Ceras não se localiza em Tomar.
Onde são hoje os Paços do Infante em sondagens feita em 1985 foram encontrados vestigios de uma anterior fortificação ou acampamento Romano no entanto não ha certezas quanto a sua planta. Mas é possivel ter uma ideia de como seria, baseado na história da arquitectura militar romana. de certo seria uma construção de madeira e pedra sendo o primeiro o elemento de maior destaque na construção, em terreno plano, ou planaltos os romanos optavam por construções de formato quadrado ou rectangular, visto neste local ser uma elevação e partes do que hoje vimos corresponde a aterros realizados para nivelamento de terras é possivel dizer que tal fortificação poderia ter um formato diferente provavelmente irregular. Dentro de uma fortificação consoante o seu tamanho os espaços de ocupação interior repeitavam uma certa ordem, mas tal é de facil procura e não se adequa ao tema deste Blog pelo qual não me vou alongar mais sob este assunto. Existiu também uma presença mulculmana no local mas pouco vetigios existem somente alguns elementos de decoração mulculmana.

Anónimo disse...

Estamos quase de volta com novos temas e polemicas.
As ferias estão a acabar.

JOÃO

Anónimo disse...

K se passa com o blog? Porque não escrevm nada? As férias já acabaram, não?

Eu só não escrevo porque não tenho nda a dizer mas costumo ler as coisas que aparecem.

Anónimo disse...

Caros amigos o blog não acabou,longe disso!
É preciso ter calma,esta para muito breve o regresso.

JOÂO

Anónimo disse...

O posto de turismo de Tomar ahahahaha,aqueles são mais ignorantes que uma porta.Então aquelas guias que lá trabalham valhame Deus.

Miguel

Anónimo disse...

Olá. Antes de mais, parabéns pelo blog.
Li que do lado do Hospital Militar se localizava a Porta da Traição... Já em relação á Porta Principal nunca tinha ouvido nada...
No entanto, confunde-me o facto de a Porta do Sangue ter ligado com o actual piso térreo do Claustro da Lavagem e parte dessa ligação estar a um nível inferior ao do actual Terreiro, além de «bloqueada»...
Não sei se me fiz entender...

MARIA

Anónimo disse...

Fez e muito bem,ta no caminho da verdade.
gostava de saber é quem não deixa fazer pesquisas nesse local.

Anónimo disse...

DD

Diz V. o seguinte:
"No entanto, confunde-me o facto de a Porta do Sangue ter ligado com o actual piso térreo do Claustro da Lavagem e parte dessa ligação estar a um nível inferior ao do actual Terreiro, além de «bloqueada»...
Não sei se me fiz entender"

Entender, fez-se, contudo não entendo o que é que você não entende?

Para o outro senhor: Pesquisas naquele local? Elas já foram feitas e registadas, nos paços porque como é evidente não seria agradável levantarem o aterro do "terreiro", além de terem que bloquear o acesso a essa parte do castelo durante décadas, iriam desfigurar toda a beleza paisagistica existente agora. E para quê? Basta ver a iluminura que mostra a charola há 500 anos atrás para se ter noção de como aquela zona era.

Enfim.... continuem a mandar postais.. abraços e bjs

Anónimo disse...

Por que nao:)