Contacte-nos através do nosso email:
cethomar@hotmail.com

3/20/2009

TOMAR O CÉU (PARTE I)

HERESIA NA PINTURA QUINHENTISTA PORTUGUESA
Aspectos desconhecidos de uma pintura
Autoria: DEGRACONIS
S
A razão da publicação deste ensaio que deu corpo literário à apresentação do jantar deve-se a dois motivos: 1. aborda um tema muito caro ao blog, Santa Maria 2. é dedicado a Frei Isidoro de Barreira, conventual da Ordem de Cristo em Tomar, sem o qual nunca teríamos decifrado a mensagem inclusa em algumas pinturas portuguesas designadas como Manuelinas. Também é uma homenagem à Primavera que chegou esta semana.

Este ensaio é estruturado em duas partes. A Primeira leva-nos a uma viagem por “coisas” do Céu, e na qual seremos guiados pelo Frei de Tomar, a segunda precipita-nos directamente no Inferno, onde conviveremos com Deuses Infernais.

Antes porém, e para os mais incautos, lembro que a invocação de Santa Maria nos posts do Blog, nem sempre deve ser encarada unicamente no seu sentido literal. Estão em Santa Maria do Olival sepultados todos os mestres templários portugueses, com efeito, falar de Santa Maria, ou mesmo invocá-la é também invocar o Espírito Templário que reside nesse local, um Genius Loci.

APRESENTAÇÃO

Que dizem as obras de arte e o que representam? É possível que por debaixo dos nossos olhos os artistas tenham dissimulado mensagens heréticas ainda hoje não reconhecidas e que fazendo parte da estrutura da obra lhes aumente o valor artístico? Teria sido Portugal como país periférico palco de uma libertinagem criativa por parte desses artistas?

A arte renascentista na qual se insere a pintura quinhentista seria bem mais simples, embora menos interessante, se fosse possível afirmar que cada símbolo tem apenas um significado, mas é raro ser assim. Um quadro pode incluir vários objectos com significados distintos, mas podem ser agrupados como se de notas musicais se tratassem para compor uma sinfonia, que neste caso seria o seu significado como um todo. Pode também acontecer esse quadro ter mais do que um extracto de leitura, mais, até pode vir a ter significados que nunca foram intencionados. Tal é a força do mundo dos símbolos. Já o eram em potência.

O pensamento medieval reorganizou o vasto reportório de símbolos do passado, como sejam os códigos da antiguidade clássica, e os transformou numa nova concepção teológica e religiosa do mundo, tendo-se perdido com o passar dos tempos as chaves que permitem leituras mais profundas desses símbolos que hoje são encarados como meramente estéticos ou decorativos.

Apenas no século XVII, surgem dicionários e tratados que condensam esse vasto reportório iconográfico, para que o artista os possa utilizar de uma forma eficiente sem correr o risco de não ser entendido. Baliza-se assim o pensamento simbólico às definições que essas enciclopédias obrigavam em detrimento da imaginação individual de cada criador, verificando-se consequentemente a mera aplicação mecânica desses conceitos. Perdia-se na arte a sensibilidade simbólica em prol de uma objectividade tão característica do pensamento moderno.

Num período anterior à famosa obra “Iconologia” de Cesare Ripa (1593), exemplo maior da codificação de símbolos e emblemas numa obra escrita, e ainda anterior aos efeitos que se fizeram sentir com as directivas Tridentinas resultantes do Concílio de Trento (1545 a 1563), que definiram o que seria licito aos artistas representar e de que modo, assim como o que seria considerado herético, encontramos em Portugal a representação pictórica da Morte da Virgem com aspectos muito peculiares em relação ao que se verifica no resto da pintura quinhentista produzida na Europa, designada também como Trânsito ou Dormição da Virgem.

A propósito, as normas contra reformistas do Concílio decretaram as imagens das Trindades Trifontes como heréticas, continuando apenas a representarem-se em espaços rurais longe dos “visitadores” tridentinos, e executadas muitas vezes por artistas não eruditos, conferindo-lhes então apenas uma fuga heterodoxa aos rígidos preceitos oficiais, não se lhe podendo atribuir intenções heréticas. Em Tomar, vários se encontram, das quais a mais conhecida, é a do designado “Hermes Trimegisto”.



Aqui começa as primeiras pinceladas da minha história em busca do significado da romã nos quadros quinhentistas da Morte da Virgem.

O MISTÉRIO DA MORTE DA VIRGEM

SSSSSSSSSSSSSSSSSO Transito da Virgem de Cristóvão de Figueiredo

Nesta obra de Cristóvão de Figueiredo, em actividade entre 1515 e 1543, vemos a virgem no leito da morte a segurar um círio, confortada por São João Evangelista vê-se rodeada pela presença dos doze Apóstolos. Doze Apóstolos? Mas não tinha Judas morrido logo após a crucificação de Cristo? Indignado com este número de apóstolos em redor da Virgem, surge um artigo num blog intitulado “O Mistério dos Apóstolos de Lisboa”.

Respondi de imediato ao artigo, em forma de comentário, de que não se tinha de indignar com tal número, nem mistério algum encerrava.

Aparentemente estava o mistério dos doze apóstolos resolvido, no entanto hoje considero não estarem representados os doze apóstolos, mas sim o próprio Cristo, ideia também avançada pelo Blog citado em relação à personagem que se destaca de todas as outras pela ausência da carga dramática que atinge todas as restantes, sem no entanto fundamentar em que razão podia-se apoiar tal hipótese a não ser pela estupefacção de estar uma personagem a mais no cenário, que este aceitou então como sendo Matias. De facto não o é. (não aprofundarei este assunto neste ensaio)

Nas investigações posteriores que levei a cabo, descubro que não é só este quadro relacionado com a Morte da Virgem que inclui uma romã, mas também as dos outros grandes pintores quinhentistas portugueses. Informo que não encontrei a presença dessa natureza morta na pintura europeia da época. Será uma inovação iconográfica única e exclusivamente portuguesa? Não seria a primeira, e logo que oportuno darei conhecimento de outra solução iconográfica que encontrei em Tomar, desta vez, noutro tipo de suporte artístico. (esta esse trabalho concluído mas o facto de apresentar 30 páginas obrigar-me-á a reestrutura-lo para publicação no blog).
ssssssssssssssssOutro quadro de Cristovão de Figueiredo e um do Mestre de Ferreirim

Verifica-se em mais um quadro do Cristóvão de Figueiredo esta persistência de pintar a romã, mas neste surge Jesus Cristo revelado, o que constitui iconografia rara na pintura portuguesa e também no resto da Europa, excepção se faça ao mundo bizantino. Também em Gregório Lopes, pintor régio de D. Manuel I, e no Mestre de Ferreirim, se assiste a inclusão da romã na pintura. Todos esses quadros, referentes ao mesmo episódio, e todos eles de grandes mestres portugueses do mesmo período. Repare-se que chegaram estes a trabalhar em conjunto em algumas oficinas, o que permite aquilatar a troca de influências.

Curiosamente, não é só a romã que se repete nas diversas pinturas, mas também a presença de uma faca, e em alguns, a representação de um copo coberto com um pano de linho que parece constituir uma espécie de filtro para a maceração dos grãos da romã que em todas pinturas aparecem desfeitos. Mesmo quando não se verifica a presença da romã, é facilmente constatável ver os grãos da Romã desfeitos num recipiente.

ssssssssssssssssQuadro de Gergório Lopes (onde se confunde S.João com Madalena)
sssssssssssssssssse detalhes das obras, onde se constata a repetição de motivos


Que mistério encerra a romã e os restantes elementos? Não se trata de um quadro mas sim de quatro onde sistematicamente se reproduzem motivos tão específicos como um copo coberto por um pano. Necessariamente encerrava uma intenção, que à falta de legenda, se tornava num mistério.

Um aparte; Dan Brown, apoiado na feminilidade da personagem de São João Evangelista da última ceia de Leonardo Da Vinci, identifica a imagem de Maria Madalena, no entanto em Portugal encontramos esse mesmo facto curioso, e é de tal forma exacerbado que a edição dos Museus do Mundo do Público referida pelo Blogger atrás referido, comete o erro de o descrever no quadro de Gregório Lopes como sendo Maria Madalena, esquecendo-se que assim só se verificaria a presença de dez apóstolos. Mas andamos a perder Apóstolos? Podíamos nós portugueses ter servido os propósitos de Dan Brown ainda com maior clareza, quisesse ele.

Antes de avançar no labirinto de significados para o entendimento desta obra, e mais em concreto para o significado dos elementos que se repetem, com seja a romã, os grãos desfeitos, a faca e o copo, terei que dar-vos a conhecer um vulto da literatura espiritual portuguesa, o qual encerra a chave para um primeiro nível de entendimento dessas representações insistentes. Tinha ele que ter íntimos laços com Tomar.


Obras de grandes mestres da pintura europeia, onde eventualmente apenas se figura símbolos marianos fácilmente reconhecíveis. como seja o Terço, o Livro de Orações e uma Vela.

FREI ISIDORO DE BARREIRA
É incerta a naturalidade de Frei Isidóro, mas é dado como natural de Lisboa ou da terra mencionada no seu apelido, que se situa no concelho de Tomar, sendo também desconhecida a data do seu nascimento é certo no ano de 1606 estar a professar no Convento de Cristo.
Por revelar qualidades singulares depressa avançou para o lugar de Mestre e Pregador da ordem. Amante da literatura espiritual é lhe concedida autorização para se dedicar únicamente à produção literária, da qual merece destaque a obra aqui apresentada sobre a símbologia vegetal e espiritual. Um verdadeira tratado de ecologia espiritual, obra rarissima que não encontra ecos na restante literatura da Europa. Prima pela erudição e originalidade demonstrada na descrição das virtudes e vicios humanos a partir das plantas e flores, avançando do alegórico para a pedagogia espiritual moralizante. Reside no seio desta flor da literatura conventual a chave para uma definitiva interpretação da Romã que se encontra no quadro em análise, não obstante ter-lhe descoberto depois ainda mais um nível de significação, o herético.


A titulo de curiosidade, ainda antes de avançar para o significado da romã, posso adiantar-vos que na sua concepção global, apresenta o livro a árvore como símbolo do ser humano, as folhas como as palavras, os ramos os desejos, por raizes entende-se os segredos dos homens, por flores as esperanças e por frutos as suas obras.
Repare-se que raizes aludem ao segredo que se esconde no intimo do homem; quanto segredo não estará guardado na figura homem da janela do capítulo que está envolto de raizes e às quais se agarra.

Esta obra tão distante e curiosa é fundamental para o entendimento do significado dos diversos elementos que encontramos nas obras de arte, e para as quais não temos as chaves que as permitem decifrar correctamente. Tal é a distancia do pensamento do homem moderno do medieval. Entre raizes e frutos se questiona, também hoje, o sentido da vida, na qual as raizes telúricas alimentam a esperança da colheita.

Deixemos temporáriamente respirar um pouco as flores e plantas do Frei Isisdóro de Barreira para depois voltarmos a elas e alcançarmos o significado da romã.

SIMBÓLICA GERAL DA ROMÃ

O simbolismo da romã está ligado ao simbolismo mais geral dos frutos que têm muitas pevides (cidra, abóbora, laranja,). É, antes de mais nada, um símbolo de fecundidade, de posteridade numerosa, assim como de fertilidade.

A mística cristã transpõe esse simbolismo para o plano espiritual, fértil é a palavra das escrituras que quando ouvidas produzem bons frutos e garantem na posteriedade a bem aventurança Acrescenta-se a redondeza do fruto como expressão da eternidade divina e a suavidade do suco como imagem da beatitude da alma. De modo que a romã representa, ao fim e ao cabo, os mais altos mistérios de Deus, seus mais profundos desígnios, e suas mais sublimes grandezas.
Os padres da Igreja também quiseram ver na romã um símbolo da própria igreja. Assim como a romã contém, debaixo de uma só casca, um grande número de sementes , assim também a Igreja une numa só crença diferentes povos e almas diversas sob uma única autoridade, a eclesiástica. A flor que encima a romã, equiparável a uma coroa, reforça esse sentimento, tal como a dureza da casca alude à união e protecção das almas por parte da igreja de Cristo. Alías, é símbolo de Cristo, porquanto o seu suco relembra ao fiel o sangue que Cristo derramou pela humanidade. Descarnada alude à carne de Cristo massacrada pelos golpes inflingidos pelos Romanos.
(façam um corte numa romã bem madura e apertem-na. A analogia é perturbante. Partam-na ao meio e começem a tirar os bagos. Terão oportunidade de ver o quanto se assemelha à carne humana rasgada por chicoteadas. Se forem susceptivelmente sensíveis não o façam)
Na Iconologia de Cesare Ripa atribui-se à Romã a figura alegórica da Concórdia e da Conservação. A primeira como símbolo da concórdia entre as suas diversas partes, das sementes ou bagos, e a segunda pelo entendimento que se verifica entre elas.
Quando figurada na mão da Virgem Maria pode significar Castidade. Esta interpretação terá a sua base no cantico dos canticos IV 12-13. Quando na mão de Cristo pré-figura o sacrificio na Cruz, visto o seu suco avermelhado representar o sangue de Cristo, não obstante, como símbolo da igreja ser também ele, o seu fundador.

Estes são em termos gerais os significados que se lhe atribuem e que podem verificar na internet ou num dicionário de símbolos, porém ficam estes significados aquém do que os pintores portugueses pertenderam com a inclusão da romã num cenário que pouco terá haver, pelo menos directamente, com um cenário fúnebre. Como símbolo de fertilidade, fecundidade ou castidade não encontra contexto na cena retratada. Como símbolo da igreja já não será despropositado, mas deixemo-nos levar pelos aromas de Frei Isidóro de Barreira para chegar às raizes, ou seja, ao segredo.

O PRIMEIRO SEGREDO DO QUADRO REVELADO

A romã em todos os cenários retratados pelos pintores portugueses em questão apresenta-se descarnada e seus bagos colocados dentro de um recepiente, que é o mesmo que dizer, a romã encontra-se DESFEITA. Tal é o espirito que os apóstolos vivem naquele momento de agonia da Nossa Senhora, a saber que, estava o mundo cristão prestes a perder o segundo maior vulto do seu panteão de figuras santas. Encontrava-se a assembleia de Deus, constituida pelos seus apóstolos e feis, DESFEITA, à semelhança da romã. Esta é símbolo da Igreja, e repare-se que São Pedro, primeiro Papa, olha precisamente em direcção à romã.

Mas que dizer da inclusão de um copo com um pano de linho a cobri-lo? Elemento que se repete nas pinturas portuguesas. Com efeito, estão presentes os utensílios necessários à obtenção do suco da romã, ou seja, pela massaração de seus bagos obter-se o designado Vinho de Romã.

Frei Isidoro não só dá um significado geral à romã – conformidade - de acordo com o posterior Tratado de Iconologia do conhecido Cesaear Ripa (concórdia), como lhe lhe atribui mais uns quantos, conforme a parte da romã retratada:

Flor da Romã: Perfeição; Casca da Romã: Modestia e Vinho da Romã: ?

O cenário do ciclo iconográfico da Virgem em questão é de tristeza e emoção, de lágrimas, mas contidas. Como poderiam os fieis acreditar na ressureição e chorar a morte? Seria contraprudecendente para a fé cristã derramar lágrimas, arriscaria-se a meter em causa a crença na mais espectacular e original inovação desta nova religião, o dogma da ressureição do corpo. Contudo de lágrimas sem dúvida.

Surpreendememente Frei Isidóro em relação ao significado do Vinho de Romã escreve que este é o de Lágrimas. E que lágrimas são essas? Deixemos em jeito de homenagem ser ele próprio falar-nos directamente do Convento de Cristo à nossa alma.


Que mais palavras poderei eu acrescentar? Está o Mistério da romã e do copo resolvido. Encontra-se em Tomar a chave de segredos profundos que se tem mantido à vista de todos mas ainda por decifrar. Continuemos o nosso trabalho na pacatez da investigação e mais supresas teremos.

Poderia agora deixarei o leitor reinterpretar o quadro à luz das sublimes frases que sublinhei, mas já agora mais umas quantas.

Conseguiram os mestres portugueses de uma forma genial incluir a emoção das lágrimas no cenário. São lágrimas doces, daquelas que não se entregam à Deusa Gaia mas que ascendem ao mundo de Zeus. Questiona Frei Isidoro sobre o que deverá a alma entregar a seu esposo (cristo). A resposta é um copo de mosto de romãs que são lágrimas de devoção e compaixão. Entrega Santa Maria naquele momento a sua alma a Cristo, que de forma serena se encontra a seus pés para a receber.

E que lágrimas são as dos apóstolos, senão as de devoção a Santa Maria. Adianta-nos também que o mosto de romãs são desejos de martirio e vontade de padecer em atribulações por amor a Deus. Não viriam a ser os apostólos ali reunidos os primeiros mártires do cristianismo? (muito haveria para dizer, pois só vos dei a conhecer a primeira página de sete dedicadas ao significado do vinho de romã)

Nos dias de hoje tornou-se hábito fazer leituras anacrónicas dos símbolos do passado, mas Frei Isisdóro deixou-nos um legado que permite ler com os próprios olhos do passado. Podiamos ter tentado compreender os significados directamente nas escrituras, mas não teria sido tarefa fácil chegar ao entendimento que a mentalidade da época tinha da realidade. Infleizmente só nos chegou ao dias de hoje o primeiro volume da obra do Frei Isidóro de Barreira. Compete-nos a nós o resto do trabalho.

Contudo, apenas se encerra agora o primeiro ciclo de interpretação, encerra o quadro de Cristovão de Figueirdo outro patamar de possibilidades simbólicas, heréticas porém.


16 comentários:

Anónimo disse...

Sr Degraconis a roma representa o sangue e a vida.A roma é a semente é, a vida.
Uma pergunta ?Conhece alguem com o nome Maria Madalena?olhe que esse nome não existe !

A Ordem

Rui Ferreira disse...

olá ...Só para dizer que conheço pelo menos uma pessoa com esse nome!!
Se o seu problema ou alusão é sobre Maria de Magdala, diga!!

Anónimo disse...

"Estão em Santa Maria do Olival sepultados todos os mestres templários portugueses..."

Olhe que não, olhe que não. Toda a gente sabe que os tumulos dos mestres foram profanados. Não tente branquear a história!

Anónimo disse...

Nunca lá estiveram.

A Ordem

Anónimo disse...

UMA MERDA É QUE NÃO TIVERAM.
PAROLOS.
ESTE BLOG TÁ CONTAMINADO POR GENTE QUE É UMA ... .

Anónimo disse...

... CÓPIA DE TI PRÓPRIO(A) ???!!!

Anónimo disse...

Os cães continuam a ladrar e a caravana a passar...
Importância ao que é importante, o resto...à cloáca.
Ana P.

Anónimo disse...

tanta asneira junta
tanta presunção
tanta arrogancia
...tanta ignorância!

Anónimo disse...

Estou neste momento a fazer um trabalho sobre Tomar e tenho que iniciar pela terra onde moro: Santa Marta. Por acaso sabem algo sobre Santa Marta? E sobre a Capela? Não encontro nada ,será possivel???
Obrigada !!!!

SMARD.

Rui Ferreira disse...

Vai ao fórum fazer essa pergunta, por favor, assim ficaremos Todos a saber, Obrigado

Anónimo disse...

Obrigado Degraconis por este artigo que vem trazer alguma luz ao tema das romãs.
Fiquei interessada nestas ao ler o livro O Mistério Colombo Revelado de Manuel Rosa onde aquele autor mostra Colombo vestido de um manto dourado com um padrão de romãs cortadas, uma imagem de Maximiliano segurando uma romã cortada e no túmulo erguido a Colombo na Catedral de Sevilha uma romã no chão espetada por uma lança.
Aquele autor diz também que a romã é símbolo da Maçonaria e que o Mosteiro de Las Cuevas onde viveu Colombo contém imensos símbolos Maçónicos, que Colombo deveria pertencer a uma ordem secreta que se tornaria na Maçonaria de hoje e que a romã talvez represente o movimento protestante? Que acha disto, era Portugal um país protestante antes de D. Manuel I, Mestre de Cristo se tornar rei?

Agradeço ao Eduardo Nuno Oliveira por nos trazer notícias deste seu blog. Lidia

DEGRACONIS disse...

Não publiquei imagens da romã em quadros de teor profano. O texto já era longo e seria pesá-lo ainda mais. Do Maximiliano tenha a ideia de que era mesmo um símbolo (embelma) dele. Ele era imperador e a romã representa a concórdia e a união entre as partes. Papel que incumbe a um imperador. (posso publicar essas imagens no fórum se quiser).

Sobre a igreja protestante e nossos país tenho dificuldade em abordar o tema. Posso adiantar-lhe que a ideia de uma igreja de cariz nacional foi pensada por alguns dos nossos reis. Teria que voltar a puxar da minha memória para dizer mais que isto.

No entanto existe actualmente a igreja lusitana. Sampaio Bruno e julgo que os integralistas (como seja o António Sardinha) estiveram na génese dessa igreja que utiliza uma liturgia própria e com frutos muito particulares.

Estou a trabalhar e não tenho á mão mais que estas singelas palavras para si.

Obrigado pelo comentário

(não percebo o agradecimento. Eduardo Nuno Oliveira??)

(Veja na net Manuel Luciano da Silva(?) e a palavra romã. Ele também escreve muito sobre a simbólica da romã e tb sobre Colombo. Tem andado à batatada com o Gandra por causa das Cruzes e já se virou contra um dos Directores do Convento de Cristo. lol

Anónimo disse...

A verdade verdadeira é que ninguem sabe de nada ,NADA .
Quem sabe um dia a verdade não é revelada aqueles que a merecem!!!!!!

+

pinuparte disse...

Olá, sou estudante de conservação e restauro no I.P.T em tomar, e estou a fazer um estudo sobre a obra "a Dormição da Virgem" para a cadeira de iconologia, foi precisamente na sequencia da minha pesquisa que descobri este blog, gostaria de saber se tem alguma informação do local onde se encontra a primeira Obra que apresenta como sendo de Cristóvão de Figueiredo, e se por acaso me poderia facultar alguma bibliografia referente a essa mesma. Mt obrigada Vanessa Vinhais.

Anónimo disse...

contacte o Degraconis por email

Anónimo disse...

ou vá então ao forum