Contacte-nos através do nosso email:
cethomar@hotmail.com

12/10/2006

Cavaleiros da Ordem do Templo

Decorria o Ano do Senhor de 1118, quando foi criada a Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (Templarios) em Jerusalém. Esta Ordem foi fundada por 8 cavaleiros, sendo um deles, Hugues Payens, o seu mestre. Existia no entanto um nono cavaleiro, cujo nome foi mantido em segredo, e sendo assim temos 9 cavaleiros como fundadores da ordem.

A Ordem foi criada com o pretexto de proteger os peregrinos que se dirigiam a Jerusalem , não sendo porém esta ideia muito plausível, pois 9 cavaleiros,em relação à quantidade de peregrinos que a Jerusalém se dirigiam eram insuficientes.

O verdadeiro motivo da criação da Ordem foi o de procurar em Jerusalém, mais propriamente debaixo do solo do Templo de Salomão, determinados objectos (religiosos e pregaminhos) que aos Egiptos e Hebreus tinham pertencido e para tal o rei Balduìno II, amigo dos Templários, cedeu a estes para seu quartel general, ou seja, as antigas ruinas das cavalariças do Templo de Salomão. Depois de encontrar tais objectos é evidente que a Palestina deixou de ser prioridade para os Templários, passando o centro da Ordem para a Europa e deixando a Palestina como uma escola de guerreiros onde eram instruidos na arte do combate.

Ao deixar a Palestina a Ordem implanta a sua sede em Thomar, formando ai uma escola de saberes espirituais e cientificos, tendo como seu Grão Mestre D.Gualdim Paes e Bernard de Trèmelal como mestre na Palestina. Assim Portugal é fundado e criado por Templários, sendo o nosso primeiro rei D.Afonso também ele um Templário .Temos ainda no castelo de Thomar a primeira cruz pantea trazida por D.Gualdim Paes do oriente e que pode ser vista na porta do sangue deste mesmo castelo.Daqui a Ordem espalha-se por toda a Europa, tendo como sede finaceira Paris.

Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam (Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao Vosso nome dai a glória)


Castelos Portugueses

Castelo de Soure (1128)
Castelo de Longroiva (1145)
Castelo de Ceras (1159)
Castelo de Tomar (1160)
Castelo de Pombal (c. 1160)
Castelo de Almourol (1171)
Castelo de Penamacor (c. 1199)
Castelo de Castelo Branco (1214)
Castelo de Vila do Touro (c. 1220)

Mosteiros Portugueses

Convento de Cristo
Mosteiro da Batalha
Mosteiro de Alcobaça

35 comentários:

DEGRACONIS disse...

Portugal foi sede da Ordem Templária. Na verdade nunca o foi. A sede manteve-se em Jerusalém até quase ao termino das cruzadas, regressando estes a Paris ( assim como os Teutónicos à Alemanha e os Hospitalários para a ilha de Malta). Certo é, que a ordem em terras ibéricas, dada as circunstâncias da situação vivida à época, a conquista de territórios e a formação de novos reinos, alcança uma aproximação de tal dimensão aos destinos desses “países” que poderemos quase afirmar ( e mais no caso Português ) que Portugal é um “projecto templário”.

Sem dúvida a aventura ibérica dos templários foi um caso à parte do resto do mundo onde eles se movimentavam, mas nunca foi sede. Alías, Gualdim Paes não foi Grão Mestre da Ordem templária, e a querer afirma-lo como Grão Mestre, apenas o poderemos designar como Mestre de Portugal. Julga-se que tenha sido o quinto ou sexto Mestre Templário em Portugal, contudo o primeiro mestre de naturalidade portuguesa iniciado na milícia em terras do Oriente.

Um aparte; os mestres portugueses usualmente se intitulavam preceptores, comendadores mores, procuradores, ministros, e por vezes mestres provinciais.

DEGRACONIS disse...

A Ordem Militar dos Cavaleiros Pobres do Templo de Salomão, como de princípio se denominou, porque não possuíam habitação ou igreja, foi fundada por Hugues De Payns mais oito cavaleiros. A saber os outros cavaleiros foram Geoffroy de Saint-Omer, André de Montbard, Godefroy, Roral, Payen de Montdésir, Archambaud de Saint-Aignan, Geoffrey Bisol e Gundomar (Gondomar? Talvez Português). Qual destes era então o Grão Mestre Secreto? O 1+8. Quem é o um? De quem não sabiam o nome?

Mais uma achega ao vosso texto. Efectivamente Gualdim Paes é iniciado na milícia por Bernard de Trémelai, que o recebe como discípulo e professo. Durante cinco anos peleja contra árabes, egípcios e turcos. Iniciado nos mistérios da ordem, é lhe transmitido pelo Mestre da ordem, André de MontBard, directivas bem precisas para trazer ao Mestre do reino de Portugal. Contudo tal só se efectiva durante a vigência do reinado do seguinte Grão Mestre, Bertrand de Blanchefort.

O tempo escasseia-me e só me resta então de momento afinar uma conclusão apressada. Verifica-se, pelo que escrevi (e pelo que agora acrescentarei) que nunca Gualdim Pães fundou a ordem dos Templários em Portugal ou se fixou a sua sede em terras lusas. Quase desde os primórdios da sua fundação existiu em Portugal, ainda antes da sua efectiva consagração em concílio, e muito antes de entrarem em Espanha ( na altura reinos) a ordem, a pedido de D.Teresa.
Na altura em que Gualdim Pães foi eleito como Mestre Português já tinham professado mestrado na Palestina mais dois Grãos-Mestres depois do tal Bernard de Trémelay, pelo que é incorrecto o que afirmam no texto. Na verdade verifico agora que em alguns textos tem os dados correctos mas depois noutros cometem algumas atrocidades históricas.
( Tenho que sair… voltarei logo que tiver oportunidade para finalizar)

DEGRACONIS disse...

Afirmar que a ordem, depois de encontrar o que procurava nas antigas ruínas do templo de Salomão, deixou de ter interesses na Palestina, tendo o seu centro sido deslocado para a Europa e Portugal, não se coaduna com os factos. A ordem e o seu priorado superior manteve-se por essas terras por mais cento e cinquenta anos, após a data em que afirmam (no blog) que a ordem se transferiu para a Europa, ou seja, em data aproximada de 1160. Isto não obstante a importância que alcançou na Europa e que sem dúvida é reconhecida até pelas historiadores mais materialistas e que não levam em conta a importância da história mitológica dos templários. As coisas não só tem valor pelo que são, mas sim pelo que representam ou pelo que os outros vêem nelas.

Acho que os malabarismos numéricos não são de grande importância face à realidade factual. Porventura não será mais verosímil pensar que a ordem quis ficar na história (mítica?) como se fossem 9 cavaleiros (ou 8+1) do que pensar que existia um secreto, o GM, e mais oito cavaleiros? Até porque o nome deles são de domínio público. A existir um movimento secreto na origem da ordem, julgo que eles nunca seriam somente 9, mas pretenderam que assim ficasse registado como o número de cavaleiros da fundação. Sobre a importância desses números debaterei convosco numa outra oportunidade.

António de Palma disse...

Contudo, deveremos ser prudentes em relação a toda a documentação histórica que versa sobre esta temática apaixonante. Ao analisarmos de perto um documento histórico, redigido por outrem, certamente discernimos sobre a sua veracidade temporal e material. Qualquer documento pode ser deturpado ou alterado por razões sombrias, embora incida sobre o subconsciente humano a sua carga anímica, impregnada de hermetismo e subterfúgios. Em suma, só nos resta acreditar na linguagem petrificada, receptáculos físicos que emanam secretamente as forças telúricas da antiguidade, heranças aparentemente inacessíveis que ecoam para a eternidade. Embora nos resta apenas a argúcia da especulação, o mote da senda está ao alcance de qualquer iniciado…

Azul disse...

Contudo não nos podemos esqueçer que não só as pedras falam, e nos deixam marcas (algumas evidentes)de que o passado sobre elas passou, também restam alguns documentos escritos que relatam algo... (pouco sabiam escreve na época), resta saber onde param alguns desses documentos... o 1º Documento escrito que fala de Tomar (e juntamente de Ourém) é datado de 1159, que vai ser mostrado em Março, pelo Grupo Dos Amigos Do Convento de Cristo, que à pouco tempo concluiu uma serie de Conferências profundamente ligadas ao historial deste Covento e desta cidade. Ao GACC os meus parabéns, desejando força e optimismo para as proximas actividades.

DEGRACONIS disse...

Desde que a história se formou como disciplina positiva e com o intuito de relatar factos ou descrever acontecimentos, o problema dos documentos falsificados tem sido uma grande dor de cabeça.

Nem sempre teve a história o mesmo papel que hoje tem. Os antigos não tinham a preocupação em deixar registado uma história factual, mas somente lavram “actas” de uma história psicológica, ou seja, mitológica, onde o sagrado e o profano, o real e o irreal se confundiam. Alias assim viviam.

Entendo a posição do Sr. António de Palma quando nos remete para a linguagem da arte ou da pedra em detrimento dos documentos escritos. Na verdade os templários são quase mais conhecidos pelo que não foi escrito do que pela sua história factual. Veja-se este Blog; confronte-se o que esta escrito pelos vários comentaristas e a sua correspondência com os documentos escritos. São constatações que não tem eco na realidade documental. Por isso não se estranhe tal comentário do De Palma.

Remete-nos o De Palma para a linguagem das pedras. Decerto estamos perante a linguagem da arte. Esta é um enigma, nela tanto se revela quanto se esconde a verdade daquilo que é.

O Manuelino é uma arte que tem raízes no chamado gótico, uma variação de tal forma demarcada em termos iconográficos que acaba por ser encarado como um estilo próprio. Um estilo tipicamente português e sem paralelo no mundo. ( Arte dos pórticos e Janelas )

Antes, porém, devemos dizer mais umas palavrinhas sobre o termo gótico. A arte gótica – e diz-nos Fulcanelli - é apenas uma deformação ortográfica da palavra argótica cuja homofonia é perfeita de acordo com a lei fonética que rege, em todas as línguas, sem ter conta a ortografia, a cabala tradicional. A catedral – Fulcanelli ainda – é uma obra de arte goth ou de argot. Ora, os dicionários definem o argot como sendo uma linguagem particular a todos os indivíduos que tem interesse em comunicar os pensamentos sem serem compreendidos pelos que os rodeiam. Diga-se, é a linguagem dos Iniciados.

O Manuelino é sem dúvida uma dessa linguagens. Decerto terá muito mais a dizer do que os documentos alguma vez poderão revelar. Opinião aceite já pela generalidade dos estudiosos da história secreta de Portugal.

Nota de rodapé: Já agora, por estarmos a falar de documentos escritos, alguém está na posse do livro conhecido como “bezerro”, que desapareceu da Igreja de Santa Maria dos Olivais?

Anónimo disse...

Mais uma vez parabens pelo blog .Vejo que muita gente esta a seguir pelo mensmo caminho em tomar,pois muitos blogs estão aparecer,até com as mesmas imagens.Não sera plagio!Gostaria que o degraconis fosse mais especifico em relação a tal livro,ou o degraconis o têm e esta a por todos a prova ou este livro nunca apareceu ou então é um de muitos livros que desapareceram de tomar nos anos 80 e 90 sobre templários e que estavam na biblioteca desta cidade .SE estava na igreja de st Maria dos olivais é normal que tenha desaparecido pois à tanta chave a circular desde o tempo do padre Borga nas mãos das beatas que lá fazem limpeza.A não ser que Bezerro seja uma metáfora para algo relacionado com o Bezerro de ouro de Moisés???Quanto as pedras falarem aos documentos aos livros tudo para decifrar a Historia dos templários o degraconis sabe melhor que ninguém que existem outros meios ,através de lendas que vão de boca em boca durante seculos e através de algo mais que nos transcende a nos comuns mortais.Estarei a dizer barbaridades meu caro degraconis!

arraiolos disse...

o manuelino ao contrario do que muitos dizem é um estilo mais decorativo do que propriamente arquitectonico, sendo uma variante do gotico final, conhecido como gotico flamejante. de facto a ideia do manuelino como um estilo surge-nos no sec.XIX pela mão dos nossos romanticos, embebidos na mistica da gesta portuguesa. de encontramos na vizinha espanha um estilo cronologicamente identico ao manuelino: o plataresco. as semelhanças são muitas: tronco podado, brasoes, armas, arcos trilobados bem como canupiais. bem não existe nada como ver e comparar. eu estou basear-me em Historia da Arte e aceito opiniões. Podemos falar sim num estilo ibérico comum as duas cabeças do poder no sec. XV

DEGRACONIS disse...

Para o Anonymous em especial, e para todos os demais:

Antes de mais, deixe-me dizer-lhe o quanto o seu comentário fez-me rir ( das beatas está o máximo).
Deixou-me bem disposto, e por tal, não lhe deixo, já hoje, de responder a tal pergunta sobre o Bezerro, apesar de nestas respostas gostar de voltar a procurar referências, que pela escassez do tempo não posso empreender.

Diz no seu comentário que pode ser uma prova (não iniciática) que lanço ao público em geral. De facto não deixa de ter alguma quota de verdade a sua questão. Não terá propriamente uma vertente de colocar à prova os quantos leiam a frase, mas a de levar os leitores na procura de determinadas coisas. Pois nessa procura (em consequência de ser uma procura) muito se encontra. Depois de darem o passo, darei eu o seguinte. ( Muito do que eu já escrevi aguarda esse passo para que eu possa revelar mais, mas apenas dentro do que me é permitido revelar em domínio público).

Também lhe digo que não tenho o hábito de tentar recriar qualquer tipo de mito, mais ainda, neste blog em que tenho cingido-me a dados de certa forma factuais. Os outros não abordo aqui. A seu tempo e fora deste espaço.

Por tal, informo já o João que a questão – que não esqueci - sobre as cores verde e vermelho do quadro de St.Maria serão faladas entre nós oportunamente fora deste local (no jantar espero eu). Na verdade “falei” demais nesse comentário.

Voltando ao Bezerro. Esqueça o Padre Borga porque o livro anda perdido desde tempos em que nem os avózinhos dele deviam ser vivos.

Dá-nos conta de tal livro Vilhena Barbosa em 1886 ( se bem que já o tinha feito anteriormente ). Havia na Igreja de Santa Maria dos Olivais livro no qual se ia gravando todos os acontecimentos notáveis, não só da ordem e do país, mas também da cristandade e de todo o mundo, tais como as fundações da ordem, óbitos dos mestres e soberanos, vitórias obtidas contra os moiros, martírios e canonizações, terramotos e muito mais que nem sabemos, constituindo assim interessantíssimos anais. Este livro desapareceu ou fez-se desaparecer. Talvez incomodo no que nos podia revelar.

Como J.A. Santos no seu livro de 1879 diz: “Talvez que alguém o achasse”. A minha pergunta era mesmo essa.

Nota de rodapé: Julgo que num ou outro livro mais moderno exista referência a tal, mas não tive tempo de procurar. De qualquer forma limitam-se a repetir o que estes dizem, talvez utilizando uma linguagem mais hermética com o intuito de adensar o mistério.
Quando virem livros antigos lembrem-se… quem sabe não estará à vossa frente. Não façam como Lancelot, que dormia quando o Graal passou á sua frente ( acho eu).

DEGRACONIS disse...

(No seguimento do que o arraiolos disse)

De facto a noção do manuelino como estilo de arte é uma criação do século XIX, mas não propriamente como um reflexo do romantismo da época. Alias, nasce da criação, como ironia da história, não de um Português, mas sim de um brasileiro. Desde logo se altivam duras criticas a tal ideia, mas não cabe aqui um aprofundamento de tal tema, nem sou quem mais possa falar do assunto.

De qualquer forma, hoje apresenta-se o estilo manuelino como estilo decorativo e não arquitectónico, e ultrapassa-se a questão da comparação com outros estilos decorativos ( o caso do plataresco) se encararmos ou analisarmos o Manuelino, já não de um ponto de vista exclusivamente formalista, mas antes interior, quer no sentido da descoberta de significados quer como no sentido da busca das intenções que lhes presidiram. É esta a vertente que os estudiosos hoje tem privilegiado. Debruçarmo-nos sobre o templarismo e as suas consequências em Portugal, acaba por nos levar a D. Manuel e à mensagem que o seu “estilo decorativo” nos legou. Messianismo e Providencialismo, ou seja, a ideia de que o povo português é um povo eleito, nascido para um determinado fim, e ele próprio incumbido do encabeçar.

non nobis sed blog tuo da gloriam disse...

Olá por acaso ninguém encontrou uma arca contendo umas pedras escritas em hebraïco antigo com uma caligrafia divina, ou um vaso ou taça com as iniciais J.A.
Estou a brincar claro mas falando a sério esse livro "bezerro" não teria desapareceido com o saque feito pelas tropas napoleonicas, aquando das invasões francesas.O imperador Napoleão I procuraria algo em Tomar? Pode só ser coïncidência e não ter nada a ver com os Templários, mas mandou expulsar os hospitalários de Malta, andou a investigar na Biblioteca vaticana os registos do processo dos Templários, mandou arrasar o que restava do Templo em Paris. O famoso "bezerro" pode estar numa biblioteca de Paris. Quem sabe?

Anónimo disse...

os paços do infante, tiveram de facto dois pisos, tendo um sido subterrado, tal como aconteceu na zona da AL Medina, o actual laranjal (aí há uma possivel explicação para o entaipamento de algumas entradas). Por Baixo da Charola descobriu-se uma psossível cripta, mas todas as possiveis entradas estão tapadas, e nelas não se pode mexer pois são agora pontos base no suporte do monumento, e o estado não financia trabalhos com sonda (pois consideram como mera fantasia de misticismos templários). E temos também que ver que o castelo sofreu muitas alterações, por exemplo, D.João III entaipou e modificou todas as obras do pai, há quem diga que era por ser muito religioso e considerar o manuelino pagão, outros dizem que foi pelo pai lhe ter roubado uma noiva... mas vá-se lá saber

Anónimo disse...

AQUELA IMAGEM DE PAREDES MEIAS EM RUÍNAS, É POR BAIXO DA CAPELA DOS CORVOS ONDE MUITO TEMPO ESTEVE UMA RESERVA DE MORCEGOS IBÉRICOS, PROTEGIDOS PELA QUERCUS

Anónimo disse...

PARABÉNS pelo blog, e pela a atenção a um dos monumentos mais ricos em história( enquanto disciplina) e ainda mais rico em histórias (de mitos, que muito se debatem, mas o que é bom, é podermos sonhar ainda um pouco,com os cavaleiros, no verdadeiro sentido da palavra). Continuem!!!

HERMES disse...

Cripta debaixo da Charola?
Onde leu ou ouviu tal coisa? Ou trata-se de uam suposição?
Obrigado

Arraiolos disse...

curioso esse assunto da cripta!! já não é a primeira vez que ouço isso!! um colega meu que na altura participava numa acção de visitas guidas pela escola secundaria havia tido conhecimento que tinha sido descoberta uma cripta por baixo da charola!! o q é q ela encerra!! quais os misterios por baixo daquele espaço...

Anónimo disse...

Olá boa noite!
Falando na cripta da Charola, tenho um amigo,perto de Tomar,na zona da Serra, que o pai, na altura das obras da charola, lembra-se de ter "enterrado" de cimento umas escadas que existiam para um subterraneo,penso que poderia ser a entrada para a cripta, mas o unico sitio que estou a ver é mesmo dentro da charola, seria a escada em espiral? Pena já não ver esse amigo á muito, se calhar é boa ideia, perguntar por ele...

Boas pesquisas

DEGRACONIS disse...

Se conseguir mais alguma informação sobre tal seria fantástico. A partir dai poderiamos tentar descobrir a verdade de tal mito.

O que os livros referem sobre tal, e atenção que falo de livros modernos, os antigos não fazem referência a tal, diz-nos que situaria-se junto à corrente de cimento que colocaram do lado de fora da charola. Julgo que o fizeram de forma a suster o peso das paredes que tendiam abrir a base da charola para fora. Tal também se faz nas cupulas, a do Vaticano é um exemplo.

Se recolher mais informação, julgo que também poderei contribuir com mais informação, que entretanto tenho que obter junto a quem de poder.

Cumprimts

Anónimo disse...

Com efeito é verdade que as entradas foram enchidas de betão excepto de uma que esta reservada as cerimonias da ordem.O fecho das entradas devesse a decisão do grão mestre que substituiu o outro grão mestre Oliveira Salazar,esse mesmo .Nos anos 60 e 70 muita coisa aconteceu no concelho de tomar ,muitas coisas foram escondidas que até então estavam a vista de todos.Com o decorrer do tempo darei mais informações

DEGRACONIS disse...

Interessante.... Estou estupefacto!!!

Arraiolos disse...

bem...uma verdadeira pedrada no charco!! essa informação de Oliveira Salazar é fidedigna, ou estamos apenas a expecular!! Tou bastante curioso com este novo tópico!! aguardo desenvolvimento para futura discussão.

Aquele Abraço

Azul disse...

Bem!realmente um comentario, intressante... mas... ate que ponto é real?
uma coisa é certa, a Ordem do Templo nunca chegou a acabar verdadeiramente, continuaram com sempre estiveram, no oculto, mas dai ate Dr. Oliveira Salazar...
Já agora terá a ver com politica, ou ter sido um portugûes "ferranho"? quais terão sido os descendentes? Será que Grão mestre da actualidade será o culto Dr.José Hermano Sairaiva?
Não sei até que ponto estarei a dizer disparates, mas também fiquei um pouco espantado com tal comentario...
Espero que esse anonimo, venha mais vezes e vá deixando comentarios.. ;o)
Abraços

Anónimo disse...

Tenho estado spr a ver comentarios do blog, e n escrevo pk ainda sou um principeante nestas coisas dos templarios. Peço ao Degracnis que nos fale do k o anonimous tem dito, ou é disparate k ele diz? Pok diz o degraconis k era interessante.

DEGRACONIS disse...

Os últimos comentários colocam-me obrigatoriamente em quarentena. Não tenciono pactuar com ideias absolutamente disparatada como à qual se refere, nem conviver com tal. Se a ideia era empolgar o que quer que fosse com a afirmação do Salazar, consegui-se o efeito contrário. Deixei de ter vontade de escrever e parece-me que ninguém tem nada a dizer.

No entanto tenho aguardado pacientemente desenvolvimentos nestes últimos dias, pelo beneficio da dúvida, mas do pouco que se disse nada se lhe somou.

Das duas uma, ou se apresenta no blog novidades minimamente credenciadas para tal afirmação febril, ou aguardo que se ultrapasse tal impasse. ( sugiro mesmo que seja eliminado tal deliro ).

Sobre a cripta na Charola, uma pista: Capela de Nossa Senhora dos Anjos. E basta…

Que a luz do oriente volte alumiar os nossos caminhos. Amen

Anónimo disse...

PRO LUCE IN PERPETUUM CONTRA OBSCURUM MALUM.VERITAS NUNQUAM PERIT.MAGISTER DIXIT.

Paulo disse...

O degraconis fala numa capela de nossa senhora dos anjos,ouvi dizer que existia uma ao pé dos armazens da camera ,sei ainda que existia uma que era a santa Barbara mais ao pé da mata.Sera que á uma passagem para o castelo de lá.Tambem ouvi dizer que havia uma ligação da charola a quinta da anunciada velha e que dai seguia até cem soldos,sera possivel são 5 km.Em cem soldos existia a antiga capela de s.Sebastião,do tempo de Gualdim paes e que agora é uma igreja.Sera que vai até as caldelas???

DEGRACONIS disse...

Capela da Nossa Senhora dos Anjos que ficava dentro da Charola. Mais precisamente no vão da torre sineira. Um dos quadros retirados dessa torre, quadro esse que lhe dava a designação, está no MNAA.

( Em alguns documentos N.Senhora da Graça).

888

JOÃO disse...

É verdade já passaram ou melhore vai fazer 888 desde o nascimento dessa nobre figura D.Gualdim paes .Quero pedir desculpa por só agora vir ao blog pois tenho estado ausente com muitos afazeres e o mensmo se passa com o azul com exames .Iremos por no blog mais textos e fotos para comentar muito em breve ,pois material e o que não falta .Quero agradecer as pessoas que tem participado no blog ,com mais ou menos polemica .Quanto a Salazar não sei o que diga ,se foi o não templário ,este pais desde a sua fundação que a classe dirigente pertence sempre a um grupo ou organização agora qual não sabemos pois são todas secretas,mas o melhore é ficarmos por aqui.Vamos é nos concentrar sobre o que interessa os subterranios e os mistérios de thomar.Quero fazer um repto as pessoas ,se tem historias ou lendas mesmo que (absurdas) sobre acontecimentos estranhos ou achados que possam ter haver com templários ,o monumentos que já não existam em thomar o no concelho que escrevam Será de muito interesse para o blog.Muito em breve iremos colocar uma historia que vem no livro de Maurice Guinguand e que relata uma aventura de uma mulher que no calor da noite segue uma procisão de espectros de templários até uma gruta nos arredores de thomar .Espero que o degraconis saia da quarentena ,para nos ajudar a percorrer este caminho tão ardo e difícil e a travar este justo combate.saudações fraternas .

DEGRACONIS disse...

Sensivel ao seu apelo, logo que as malhas da vida quotidiana permitam, voltarei à luz da ribalta.

Anónimo disse...

Sendo ignorate no tema,mas intressado no mesmo ,alguem me pode dizer o que é um iniciado,pois vejo escrito em varios sitios,pesso que alguem me ajude.obrigado

Azul disse...

NOS SOLUM QUAERERE EAM VERITAS ET ID VIA EXPEDITA CIC ID PERVAGARI. USAR EAM FIDES AC BENEFACERE.

PAX

Anónimo disse...

intiresno muito, obrigado

saurium disse...

Tomar,Tomar,Tomar.......será que os 19 anos que a sede da ordem do templo em Soure nada valeu???!!!Será que alguem se lembra que foi devido ao grande combate que decorreu no castelo e em redor do mesmo ,onde as hostes templarias travaram uma das maiores batalhas contra as forças do emir de Santare,Abu Zacharias,e sofreram pesada derrota,é que deu a D.Afonso Henriques a vontade extrema de tomar de assalto Santarem com finalidade de resgatar a populaçao de Soure e os Templarios que tinham sido feitos prisioneiros anos antes(1144 para ser mais exacto)????!!!! Séra que sabem que debaixo das ruinas da igreja de N. Sra. de Finisterra,posta a descoberto á alguns anos,situada junto ao que resta do castelo,existem dois niveis de galerias e que nao foi autorizada a sua exploraçao???!!!

Anónimo disse...

A quantidade disparatada de erros ortográficos deste blog é reveladadora do grau de cultura dos seus autores, ergo da credibilidade das suas lucubrações.
Triste, muito triste...
Deviam voltar para a escola primária.

Degraconis disse...

(COMENTÁRIO COLOCADO NO NOSSO FACEBOOK EM RESPOSTA AO COMENTÁRIO ANTERIOR)

Recebemos um comentário relativamente aos erros ortográficos deste artigo. Confessamos que eles existem e não foram corrigidos. Foi um artigo escrito à muito tempo e os autores de facto tiveram pouco cuidado. Pedimos desculpa pelo facto. Nos últimos anos temos tido outro cuidado. Iremos colocar o comentário anónimo da pessoa ao vivo nos comentários do blog (onde aliás foi feito).